Dolár Comercial : --
Soja (CBOT) : --
Milho (B3) : --
Algodão (NY) : --
Prêmio Soja Paranaguá : --
Prêmio Milho Santos : --
Petróleo : --
Milho ESALQ : --
Soja Paranaguá : --
Milho Santos : --

🚨 ALERTA 1: ESTÁ FALTANDO MILHO NA CHINA

Publicado dia: 18/01/2021 08:58

Icone Icone Icone Icone

O governo chinês colocou à disposição do mercado 4 milhões de toneladas de trigo na semana passada. O que chama atenção foi o forte ágio e o apetite das indústrias de rações. Acompanhe os detalhes.


RESULTADO DOS LEILÕES

A demanda do leilão de 4 milhões de toneladas surpreendeu os moinhos, os quais “ficaram apenas olhando”. As indústrias de rações e tradings chinesas arremataram 100% do leilão, preços que apresentaram alta de 17% em relação aos preços iniciais do leilão.

Essa forte demanda das indústrias de rações só reforça a expectativa de continuidade do interesse por produtos importados. Como exemplo, a China tem em seu nome 11.7 milhões de toneladas de milho e mais de 4.2 milhões de sorgo em seu nome nos EUA, volumes muito maiores do que o normal – A CHINA ESTÁ “RASPANDO” O MERCADO GLOBAL DE CEREAIS, deixando evidente seus baixos estoques domésticos de milho.

"As estatais chinesas responsáveis pelos estoques terão que comprar crescentes volumes de grãos importados durante um bom tempo a fim de recompor os estoques reguladores de arroz, milho e trigo"

O governo chinês já leiloou em 2020 e início de 2021 mais de 56 milhões de toneladas de milho e mais de 16 milhões de toneladas de trigo, o que segundo alguns analistas, enxugou os estoques reguladores. As estatais chinesas responsáveis pelos estoques terão que comprar crescentes volumes de grãos importados durante um bom tempo a fim de recompor os estoques reguladores de arroz, milho e trigo.


PREÇOS DO MILHO

O resultado dos leilões de trigo acabou puxando os preços do milho na China para novas máximas. A figura mostra os futuros do milho na Bolsa de Dalian, renovando máximas históricas acima de 2.875 iuan por tonelada.

Segundo analistas locais, a forte demanda se deve a alguns pontos:

  • Produtor chinês não quer vender milho, apostando em mais altas;
  • O produtor chinês está esperando a definição do novo preço mínimo para 2021;
  • Indústrias de rações temem problemas logísticos provocados pelas restrições à movimentação de pessoas. Em 2020, durante os Lockdowns, a movimentação de cargas ficou comprometida pela falta de caminhoneiros, problema que nesse momento tende a se intensificar por conta das barreiras de verificação;


Conteúdo: milho
Não há comentários para exibir